MAPA GLOBAL DA COBERTURA FLORESTAL DO MUNDO

Mapa Global da cobertura florestal do mundo

Em outro post comentei como a Google utilizou as imagens do landsat 7 para gerar a melhor imagem global da Terra, sem nuvens. Dessa vez a mesma equipe da Google sob a liderança do Dr. Matthew Hansen, da Universidade de Maryland, criaram os primeiros mapas detalhados sobre o comportamento das florestas do mundo entre os anos 2000 e 2012.

Este produto é o primeiro de seu tipo, mapa temático com resolução espacial de 30 metros de toda superfície terrestre do planeta, que oferece uma caracterização consistente da dinâmica das florestas do planeta, incluindo incêndios, furacões, doenças e madeireiras. Tudo isso em uma resolução alta o suficiente para ser relevante não só no nível global, mas até municipal.

As florestas mundiais estão sumindo.

A pesquisa revelou alguns achados significativos evidenciando um aumento na taxa global do desmatamento tropical, as florestas mundiais têm experimentado uma perda líquida de 1,5 milhões de quilômetros quadrados durante 2000-2012. Isso é uma perda de terras florestadas comparável em tamanho a todo o estado do Amazonas.

Dinâmica global das florestas, 200-2013: mapas individuais de extensão florestal, ganho, perda, e perda
Dinâmica global das florestas, 200-2013: mapas individuais de extensão florestal, ganho e perda.
Sumatra perdeu mais de 50% de suas florestas naturais nos últimos 30 anos.
Sumatra perdeu mais de 50% de suas florestas naturais nos últimos 30 anos.

A chave para o sucesso do estudo, publicado ontem no periódico cientifico Science com o título original: High-Resolution Global Maps of 21st-Century Forest Cover Change (Mapas em alta resolução da mudança na cobertura florestal do século 21) foi a colaboração entre os cientistas de sensoriamento remoto da Universidade de Maryland, que desenvolveram e testaram modelos para o processamento e caracterização dos dados do Landsat, e os cientistas do Google que supervisionaram a implementação dos modelos usando a plataforma computacional do Google’s Earth Engine.  A Google Earth Engine é uma tecnologia para o processamento em alto desempenho de dados geoespaciais, e abriga uma cópia de todo o catálogo de imagens Landsat. Para este estudo, um total de 20 terapixels de dados Landsat foram processadas usando um milhão de CPU-core hora em 10 mil computadores paralelamente, a fim de caracterizar a porcentagem de cobertura florestal planetária no ano 2000 e subsequentemente a perda e o ganho de cobertura florestal até 2012. Todo esse processo teria levado, em um único computador, 15 anos para ser executado, com a utilização da Google Earth Engine o processamento foi concluído em questão de dias.

A floresta do chaco no Paraguai está passando por um rápido desmatamento por conta do desenvolvimento de fazendas de gado. O resultado é a maior taxa de desmatamento do mundo.
A floresta do chaco no Paraguai está passando por um rápido desmatamento por conta do desenvolvimento de fazendas de gado. O resultado é a maior taxa de desmatamento do mundo.
As florestas de larício siberiana em Yakutia, na Rússia, são propensas ao fogo durante a primavera ao início do verão. A maioria destes incêndios são intencionais e sua disseminação descontrolada. Os incêndios são tão extensos que resultam em emissões de carbono significativas.
As florestas de larício siberiana em Yakutia, na Rússia, são propensas ao fogo durante a primavera ao início do verão. A maioria destes incêndios são intencionais e sua disseminação descontrolada. Os incêndios são tão extensos que resultam em emissões de carbono significativas.

Caso você esteja curioso em saber mais sobre essa pesquisa haverá uma transmissão ao vivo nessa segunda, 18 de novembro às 16 h no horário de verão, onde Matt Hansen e seus colegas da UMD e do Google, junto a cientistas da USGS, NASA e Fundação Moore vão apresentar ao vivo a pesquisa.

Link para evento ao vivo, streaming: http://goo.gl/JbWWTk

Veja mais sobre o projeto no link abaixo:

Página do blog oficial do Google Lat-Long: The first detailed maps of global forest change.

Página oficial das pesquisas do Google: Mapping the world’s deforestation over time.

Página da Universidade de Maryland sobre o projeto: Global Forest Change.

Narcélio de Sá

Geógrafo, blogueiro, Nerd-GeoGeek. Integrante da comunidade QGIS Brasil e apaixonado por Open-Source & Open-Data.

  • E aw Narcélio! Muito bom esse artigo! Parabèns ! Eu sempre me impressiono com mapas de estimativas globais, Sera q ele mostra o desenvolvimento da carcinicultura no nosso litoral? Abraço!

    • Narcélio de Sá

      Olá Armando, olha como foi citado no post os dados podem ser utilizados a nível local. Se olharmos lá no site do projeto (http://earthenginepartners.appspot.com/science-2013-global-forest) podemos aproximar as áreas de nosso interesse e visualizar os resultados da pesquisa. Da uma olhada lá no mangue do rio Ceará, ela aponta áreas de perda de vegetação nos últimos 12 anos (2000-2012), em relação a carcinicultura, as fazendas que foram instaladas nesse período com certeza estarão presentes desse mapeamento. Abraço!